ESG e Compliance – O futuro batendo na porta!

Insight One

Uma empresa inovadora e experiente, oferecendo o que há de melhor no mercado para ajudar no sucesso da sua empresa

14/09/2021

Leia em 6 minutos

Conforme se renovam os ciclos do mundo empresarial, novas necessidades, práticas, termos e posturas vão surgindo e ganhando espaço nesse cenário . E foi nessa última década que se popularizaram as práticas de ESG e Compliance, apontando atitudes a se tomar para construir um futuro mais seguro e sustentável nos ambientes de trabalho.

Ambiental, Social e Governança

A sigla ESG é a abreviação do termo “Environmental, Social and Governance”, e retrata práticas e atitudes que vão, principalmente,  reger o posicionamento dos investimentos de uma empresa. Essa “novidade” possibilita o alinhamento dos interesses financeiros das organizações com o conceito de sustentabilidade e a tentativa de construir um futuro mais saudável tanto no âmbito social quanto no ambiental.

Plante hoje para colher no futuro

Ao adotar uma postura de pensamento e planejamento a médio/longo prazo, as empresas passam a se preocupar com questões que podem, no futuro, influenciar o bom andamento das suas operações, a sustentabilidade do planeta é a principal delas. Por isso, muitas organizações começam, desde agora, a trilhar o caminho do cuidado com o meio ambiente e expor essa jornada nas mídias agregando valor à marca e interesse do crescente público que se preocupa com essa causa.

Mas, como isso funciona na prática?

Vamos supor que a sua empresa está sendo considerada para receber o aporte de capital de um grupo de investidores e esse grupo é conhecido por exigir práticas ESG nas organizações que pretendem investir. 

Ou seja, para receber esse investimento vai ser necessário que a sua empresa consiga comprovar a preocupação e a adoção das medidas necessárias para controlar questões como a emissão de carbono, a gestão de resíduos e rejeitos, a inclusão social entre os colaboradores e tantos outros aspectos que compõem uma rotina sustentável e socialmente agradável.

Hoje, 85% dos investidores consideram fatores de ESG nas suas propostas de aplicação, partindo de diversas motivações que vão desde reputação corporativa e posicionamento competitivo da instituição até a confiança na cadeia de suprimentos.

“ESG só rola com V de Verdade”

Essa frase ficou marcada em uma live promovida pela SAP Concur por chamar a atenção para uma prática que ocorre com frequência e ficou conhecida como Greenwashing. Infelizmente, tornou-se comum em algumas empresas e instituições, tanto na esfera privada quanto na pública, a promoção de um discurso “ecologicamente correto” e a divulgação de falsas práticas sustentáveis para atrair a atenção do público e aumentar a identificação com a marca, sendo que, nos bastidores, as atitudes sustentáveis não são realmente incentivadas, reforçadas e muito menos fiscalizadas, deixando em falta o tal V de verdade.

Sabendo disso, precisamos lutar contra esse problema e não nos deixar enganar por essas práticas. No ambiente empresarial, a maior arma contra esse revés é exatamente o relatório de ESG, que vai fornecer uma noção do andamento das políticas internas de uma empresa no que tange o quesito sustentabilidade.

“To Comply”

Derivado do verbo em inglês acima, o termo compliance pode ser traduzido como conformidade ou observância. Ele indica a condição de algo ou alguém de estar agindo dentro da lei ou das regras. Trazendo para a esfera organizacional, representa a conformidade de uma empresa em relação às normas impostas pelos órgãos reguladores internos e externos, sejam elas gerais ou específicas para o segmento de atuação.

Legislação

Esse tema se popularizou no Brasil a partir de Setembro de 2013 quando entrou em vigor a Lei Anticorrupção que dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira. Esse mecanismo trouxe mais eficiência ao controle de atos corruptos nas corporações, oferecendo condutas combativas de forma clara.

Outro mecanismo que deu força à preocupação com o compliance foi a Lei Geral de Proteção de Dados que rege o tratamento de dados pessoais de natureza física e/ou digital de pessoa natural ou jurídica. Após o início da vigência dessa lei no último mês de agosto, milhares de empresas estão correndo para adequar seus processos antes que sofram uma punição.

O setor de Compliance

Dentro de uma organização, o departamento de compliance é o grande responsável por garantir que todas as normas, regras e leis estão sendo rigidamente seguidas. Porém, esse viés empresarial necessita de uma estruturação sólida e uma lógica bem definida de prevenção, identificação e solução dos problemas que possam ocorrer dentro de cada área. Por isso, muitas vezes essa função é assumida por uma consultoria jurídica externa à corporação que vai agir diretamente na gestão de riscos e evitar dores de cabeça a curto, médio e longo prazo.

Novas Oportunidades

Por serem questões de governança bem semelhantes, ESG e Compliance são tendências que caminham juntas, já no momento atual, mas principalmente no futuro das organizações, visto que, com a implementação de práticas de ESG, o comprometimento dos colaboradores com as normas e a satisfação laboral tendem a aumentar, diminuindo a preocupação com o Compliance.

 

Mas, como tudo na vida, há diferentes interpretações relacionadas à necessidade de implantar essas políticas nas empresas. Ainda há quem as enxergue apenas como um aumento nos custos de operação, contudo, aqueles com visão de longo prazo conseguem enxergar uma evolução no pensamento holístico da instituição e uma oportunidade de gerar novos empregos, principalmente na área de análise de dados.

Curtiu esse artigo? Aproveite para visitar a nossa página no LinkedIn e fique por dentro de todas as novidades do universo Insight One!!

TAGS:

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

POSTS RECENTES